OS FATOS VENCEM OS ARGUMENTOS NA COPA 2014 E SEM A NECESSIDADE DA PRORROGAÇÃO



                                                    Imagem: diário do turismo 


Apesar de toda desconfiança, pessimismo e pragmatismo a respeito de que emergentes não tem competência para preparar um evento de grandeza global, a Copa do Mundo no Brasil vem produzindo uma surpreendente onda de otimismo e satisfação geral pela organização e hospitalidade dos anfitriões. Também é verdade que este cronista perfilou no grupo dos ferrenhos críticos desta empreitada, mas, como alguns já confessos deste grupo, reconheçamos que há uma virada surpreendente de números, que longe de "pagar a conta" do mundial, será muito maior do que o esperado.
 
Penso que uma das obrigações do mundo crítico é reconhecer exageros e equívocos de prognósticos que produzem a falta de legitimidade  do contraponto, necessário para convidar a discussão sempre um lado esquecido, mas nunca prevalecer sobre os fatos, independente de argumentos.
 
A seguir, apenas alguns detalhes de algumas capitais e sedes da Copa 2014...
 

Vamos aos números...



Em São Paulo em particular, segundo apurou a Folha de São Paulo, já registra o surpreendente número de 600.000 turistas em pouco mais de 10 dias, ante uma previsão de 260.000.Se calcularmos uma despesa básica de R$ 4.000,00 por cada turista, teríamos uma injeção na economia paulista de um pouco mais de 1 bilhão de reais.
 
Em Brasília teve um movimento turístico jamais vivido na história da capital federal, só de estrangeiros mais de 80 mil turistas e somados aos brasileiros este número sobe para 380 mil. Nas primeiras duas semanas do Mundial, os Centros de Atendimento e Postos de Embaixadores do Turismo instalados por todo o Distrito Federal, atenderam a mais de 27 mil pessoas, entre brasileiros e estrangeiros de 84 países. Para se ter uma ideia do que o número significa, a média em Brasília é de 3 mil atendimentos por mês.

O movimento tem sido tão intenso, que os profissionais do centro de atendimento relataram que Brasília já recebeu turistas de lugares completamente inesperados, como a Ilha da Reunião (Reunião é um departamento francês localizado no Oceano Índico, a leste de Madagascar) ou Martinica, uma outra ilha francesa, localizada no Caribe.

No caso de Fortaleza, na primeira fase da Copa do Mundo os turistas injetaram de forma direta cerca de R$ 500 milhões na economia da cidade. Os números foram apresentados na última quarta-feira (25.06) em entrevista coletiva no Centro Aberto de Mídia (CAM). Segundo o secretário especial da Copa do Ceará (Secopa), Ferruccio Feitosa, os principais gastos dos visitantes brasileiros e estrangeiros foram com hospedagem, comércio, serviços e passeios turísticos.

Entre os 167 mil visitantes que compraram ingressos para as quatro partidas da primeira fase na Arena Castelão, 94,5 mil eram estrangeiros e 72,5 mil de outros estados do País. No total, o estádio recebeu 237,7 mil torcedores – média de 59,4 mil por jogo e ocupação de 93%. Se forem contabilizados os visitantes que viajaram à capital cearense sem ingressos para os jogos no Castelão, a estimativa é de que mais de 200 mil pessoas passaram pela cidade na primeira fase.

Em Belo Horizonte, números baseado nos ingressos comercializados apontam para uma circulação de 140 mil pessoas na capital, contabilizando apenas estrangeiros. Com os jogos das oitavas e semifinal, e os turistas que vêm sem ingresso ou de outros cantos do país, a demanda será muito maior e seguindo a proporção de nacionais quadruplicarem o número dos estrangeiros, teremos perto de 400.000 turistas.

A Prefeitura do Natal realizou balanço sobre a Copa do Mundo na cidade e confirmou a presença turística de diversas nacionalidades que passaram pela cidade e contribuíram de maneira significativa para a movimentação da economia local. O único ponto negativo, na opinião da Prefeitura, foram os serviços de transporte. Durante a apresentação do balanço, auxiliares do prefeito Carlos Eduardo apresentaram os números.No setor de turismo, o secretário Fernando Bezerril afirmou que a estimativa do Ministério do Turismo é que aproximadamente 173 mil turistas estiveram em Natal durante os 11 dias entre o primeiro e último jogo na Arena das Dunas. Ainda de acordo com a secretaria de Planejamento de Natal a presença dos estrangeiros contribuiu para o incremento da economia local. Segundo ela, os estrangeiros devem ter deixado mais de R$ 400 milhões em Natal, entre gastos com serviços, hospedagem, alimentação e compras em geral.

E por fim e talvez o numero mais esperado, a capital fluminense poderá receber até 1 milhão de turistas entre estrangeiros e nacionais até o final da Copa.

Com isto, devemos realmente ficar atento ao legado turístico, pois do ponto de vista de hospitalidade e organização, esta Copa tomou de assalto desde os mais céticos até os mais otimistas...uma grande e boa surpresa...

Fiquemos atento aos movimentos políticos pontuais e radicais sem causa que só provocam constrangimento a todos nós brasileiros.

Por hoje é só e que DEUS nos Abençoe!

  

Comentários

Os MAIS LIDOS

A INDIFERENÇA FAZ A DIFERENÇA

A VOCAÇÃO MANIQUEÍSTA DA SOCIEDADE

A AVENTURA DO IPI